(15) 3251-4368 / (15) 9 9806-8327 (WhatsApp)

OLC

Primeiras operações

Após a conclusão do aeródromo de Tatuí em 1941, com uma pista de terra e um hangar, na gestão do Prefeito Antônio Tricta Junior, os tatuianos sonhavam com o crescimento de aeronaves visitando a cidade, assim como foram os primeiros pousos em campos não preparados na cidade, como o caso dos irmãos Robba e Orton Hoover em 1920, e o grande volovelista alemão Peter Riedel em 1934. A expectativa era tão grande que 28 tatuianos entusiastas da aviação, decidiram se reunir no clube Recretativo Onze de Agosto, situado onde hoje é a Casa Pernambucanas, ao lado da Praça da Matriz, para formalizar a fundação do Aeroclube de Tatuí, no dia 18 de dezembro de 1943. 

Primeiro hangar

O objetivo era de ocupar o hangar do aeródromo com aeronaves da época, e assim iniciar uma escola de pilotagem com instrutores capacitados. O primeiro presidente do Aeroclube fundado foi o famoso jornalista Maurício Loureiro Gama, que também foi o primeiro apresentador de telejornal no Brasil. Era uma época em que o governo arrecadava doações para o desenvolvimento da aviação e formação de pilotos, como previa Campanha Nacional de Aviação (CNA), idealizada pelo visionário jornalista Assis Chateaubriand.

Primeiras aeronaves

Rapidamente o Aeroclube fundado foi juntando recursos, e através da CNA obteve sua primeira aeronave, um Paulistinha CAP – 4, de prefixo PP-RRP, que foi batizado com o nome de “Martinho Guedes” em homenagem a praça Martinho Guedes de Tatuí, que leva o nome de um grande industrial tatuiano da época. A aeronave veio voando do Rio de Janeiro, e posteriormente o Aeroclube de Tatuí receberia mais duas unidades desse modelo, o que foi suficiente para que instrutores pudessem ensinar a arte de voar na cidade. E assim esse clube foi prosperando com os recursos que iam sendo destinados para construção da casa do guarda campo, de outro hangar e demais condições de infraestrutura.

Fábrica de aviões em Tatuí

O último registro de reuniões desse clube de pioneiros foi em 1963 conforme a última ata registrada pela diretoria. O Aeródromo Municipal Dr. Octavio Guedes de Moraes possui esse nome em homenagem a um dos importantes fundadores do Aeroclube e engenheiro que prestou serviços para a construção da pista. No ano de 1963, o engenheiro e piloto Marc William Niess e o oficial da marinha Gilberto Clark, fundaram em Tatuí uma fábrica de aeronaves, onde hoje se situam os hangares 01 e CPT do aeródromo municipal.

Girocópteros

O nome da empresa era Clark Niess Indústria Aeronáutica, e tinha o objetivo de fabricar aviões para a marinha brasileira. No entanto, o empreendimento não prosperou pelo motivo que a marinha cancelou o interesse de compra de aeronaves. O aeródromo então teve uma baixa nas atividades aeronáuticas até a chegada de um grupo de praticantes de voo de girocóptero, cuja data da chegada não se tem registros. Esse grupo ficou até o ano de 1976 quando se desfez.

Aeroclube de Planadores Tietê

Em fevereiro de 1977, chega ao aeródromo municipal, o Aeroclube de Planadores Tietê, o qual havia sido fundado em 1974 na cidade de Tietê, a qual já possuía um clube de voo a motor. Devido a necessidade de um espaço aéreo menos restrito pelos voos do clube de aviões, o clube de planadores se mudou para Tatuí, uma vez que o clube de girocopteros havia se desfeito. Inicialmente o clube contava com uma aeronave rebocadora, o Citábria (PT-JJX), e dois planadores bipostos para instrução: Neivão (PT-PAM) e Specht (PT-PDG). O Presidente do clube também era um dos fundadores, o Sr. Dejan A. Golik, que era croata naturalizado brasileiro, e havia aprendido a voar quando serviu à RAF (Royal Air Force) na época da Segunda Guerra Mundial.

Aeroclube em atividade!

As aeronaves chegaram voando no aeródromo municipal e realizaram uma grande festa de inauguração. O clube foi recebendo mais aeronaves do DAC (Departamento de Aviação Civil) para o estímulo da formação de pilotos, como a aeronave rebocadora PA-18 (PP-GKI) e o primeiro planador quero-quero (PT-PET) entre os anos de 1978 e 1979. Também nessa época foi construído o hangar 04, que é o mesmo até os dias de hoje e abriga a maior parte da frota do Aeroclube atual.

Aeroclube de Planadores de Tatuí

Em 1983, o clube vindo de Tietê finalmente muda seu nome para Aeroclube de Planadores de Tatuí, e nesse ano o clube já havia recebido mais 2 planadores quero-quero (PT-PHE e PT-PKH), que até hoje voam representando o Aeroclube nos campeonatos da FBVV.

Desenvolvimento

Com o crescimento do clube, o aumento da frota e da construção de hangares, diversas gestões de prefeitos buscaram por recursos para a ampliação e asfaltamento da pista desde 1991. No entanto, as obras só iniciaram em fevereiro de 1996 e a conclusão se deu em dezembro do mesmo ano. Desde então, o Aeroclube de Tatuí se desenvolveu cada vez mais, de forma a sediar campeonatos e eventos aéreos, bem como promover as festas do 11 de agosto (aniversário da cidade). 

Cenário nacional

O clube também intensificou sua participação em campeonatos, cujos títulos se intensificaram entre os anos de 2012 e 2018, sendo que neste último ano Tatuí teve seu primeiro campeão nacional voando o lendário Quero-quero PT-PHE. O desempenho de aeroclube no esporte, bem como na formação de pilotos faz deste, um dos 5 clubes que mais se voa planador no Brasil. Atualmente o Aeroclube de Tatuí passa por uma fase de modernização, contando com um dos mais modernos simuladores de voo de planador, o qual é usado para treinamento dos alunos e familiarização dos visitantes com a pilotagem. Venha fazer parte dessa história você também!

85 anos da expedição de 

Voo a Vela

Em 1934 foi organizada uma expedição com um avião a motor e quatro planadores, que visitou o Brasil e a Argentina. A expedição chegou ao Rio de Janeiro em 27 de Janeiro, mas devido à demora no desembaraço aduaneiro das aeronaves, as demonstrações só tiveram início no começo de fevereiro. Após visitar o Rio, a equipe deslocou-se para São Paulo, ficando baseada no Campo de Marte. De lá foram feitos vários voos locais e um até a região de Arujá. No dia 4 de março, Peter Riedel fez um voo de 130 km, pousando o seu Fafnir em Tatuí.